Imescard pílulas

Indicação

Imescard pílulas são indicadas para tratamento da prisão de ventre e como auxiliar no tratamento das hemorróidas.

Uso adulto – Uso retal

Posologia

Tomar 3 pílulas ao dia, quando houver prisão de ventre: 1 pílula pela manhã, 1 pílula durante o dia; 1 pílula à noite.

Após a regularização da função intestinal, tomar 1 pílula à noite, diariamente.

Para efeito purgativo, tomar 2 pílula, de uma só vez, à noite.

Efeitos Colaterais

Os efeitos colaterais decorrentes da hiosciamina incluem secura na boca, sede, midríase, cicloplegia, fotofobia, aumento da pressão intraocular, rubor e secura da pele, bradicardia seguida de taquicardia com palpitação e arritmias, disúria, redução da motilidade gastrintestinal, vômitos e tonturas.

A Aloína pode causar irritação renal.

Contraindicações

Imescard pílulas é contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade à droga e seus componentes.

A hiosciamina (presente na Beladona) contraindica o uso do produto em presença de glaucoma de ângulo fechado, hipertrofia prostática, íleo paralítico e estenose pilórica.

Como medida especial de precaução, deve-se evitar o emprego durante a gravidez e lactação, quando presente congestão uterina grave, nas metrorragias e nas menstruações muito abundantes.

Imescard pílulas é contra-indicado o uso em crianças.

Farmacocinética

A Erva-de-bicho devido à presença de taninos em sua composição possui ação sobre o ingurgitamento hemorroidal.

A Beladona é outro fármaco vegetal usado nos espasmos intestinais, devido à ação dos princípios anticolinérgicos.

A ação do produto como anticonstipante encontra-se na presença da Aloína que possui propriedades estimulantes dos movimentos peristálticos, favorecendo a função intestinal.

A Ipecacuanha favorece a secreção dos sucos digestivos e os movimentos peristálticos no tubo gastrintestinal.

Advertências e Precauções

O uso das preparações contendo hiosciamina deve ser cauteloso em pacientes idosos ou febris e naqueles portadores de glaucoma de ângulo fechado ou condições caracterizadas por taquicardia, tais como tireotoxicoses, insuficiência renal ou cardíaca.

O uso prolongado pode diminuir o fluxo salivar, contribuindo para o desenvolvimento de cáries, doenças periodontais e candidíase oral.

Imescard pílulas na gravidez: não recomenda-se o uso do produto durante a gravidez e lactação.

Pacientes idosos: observar as reações adversas, contra-indicações e advertências e só fazer uso do medicamento com bastante cautela e sob orientação médica.

Interações Medicamentosas

Os efeitos anticolinérgicos da hiosciamina podem ser intensificados pela administração concomitante de amantadina, certos anti-histamínicos, antidepressivos tricíclicos, butirofenonas e fenotiazinas. Além disso, a hiosciamina aumenta a absorção de determinadas drogas, tais como a Digoxina, que necessitam de dissolução prolongada na luz intestinal.

Interações no Diagnóstico

O teste de secreção de ácido-gástrico realizado com pentagastrina ou com histamina para a avaliação da função gástrica sofre interferência devido aos efeitos antagonistas dos anticolinégicos (presentes na Beladona); recomenda-se não administrar as Pílulas Imescard 24 horas antes da realização do teste.

Superdosagem

Em casos de ingestão excessiva de preparados contendo Beladona, deve-se esvaziar o estômago por aspiração e lavagem.

O emprego de carvão para prevenir a absorção, seguido de lavagem, tem sido recomendado.

Purgativos salinos, tais como 30 g de sulfato de sódio em 250 ml de água, podem ser utilizados para estimular o peristaltismo.

Estados de excitação podem ser controlado com o uso de Diazepam ou barbituratos de ação rápida.

Composição

Cada drágea contém:

Aloína……………………………………………………………………….10 mg

Beladona (Atropa Belladona) folhas em pó …………………………… 10 mg

Extrato seco de Erva-de-bicho (Polygonum hidropiper)……………… 30 mg

Ipecacuanha (Cephaelis ipecacuanha) raiz em pó……………………..10 mg

Excipiente……………………………………………..qsp………………… 1 drágea

Excipientes: álcool etílico, amido, lactose, polividona, silicato de magnésio, abreu K vivo, caulim, cera de abelha, cera de carnaúba, corante eritrosina, goma arábica em pó, goma laca, óleo de rícino, sacarose e metilparabeno.

Apresentação: drágea – blister de alumínio/PVC contendo 36 drágeas – cartucho com 1 blister.

Armazenamento

Evitar local quente (ambiente com temperatura entre 30 a 40 ºC).

Proteger da luz e umidade.

Laboratório

Osório de Moraes Ltda

SAC: 0800 031 0844

Dizeres Legais

MS – 1.0504.0010

Farm. Resp.: Maria Angelina Nardy Mattos – CRF-MG nº 10437

Viternum

Indicação

Viternum comprimidos é um estimulante do apetite, indicado para anorexias de todo o tipo, estados de magreza e desnutrição, transtornos de crescimento e convalescenças.

Uso adulto e pediátrico acima de 2 anos – Uso oral

Posologia

Adultos: 3 comprimidos por dia.

Os comprimidos devem ser tomados antes das refeições e devem ser deglutidos inteiros.

Efeitos Colaterais

Nos 2 ou 3 primeiros dias do tratamento, pode manifestar-se predisposição para a sonolência, que desaparece espontaneamente.

Nas crianças esta tendência manifesta-se simplesmente por um estado de maior tranquilidade e sossego.

Os outros efeitos colaterais são os que se verificam com os anti-histamínicos em geral.

Contraindicações

Não tome Viternum

  • Se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Viternum.
  • Se sofre de glaucoma ou se sofre de retenção urinária. Contra-indicado também em doentes com crise aguda de asma.
  • Não utilize Viternum em crianças com menos de 2 anos.

Advertências e Precauções

Viternum na gravidez e aleitamento: como precaução não tome o medicamento durante a gravidez e a lactação.

Durante o tratamento, os doentes devem abster-se de conduzir máquinas ou qualquer veículo automóvel.

Este medicamento contém lactose.

Se tem intolerância a alguns açúcares, contacte o seu médico antes de tomar este medicamento.

Interações Medicamentosas

Existem interacções com os inibidores da MAO.

Viternum não deve ser tomado em associação com medicamentos com acção sedativa.

Exitem efeitos aditivos com o álcool.

Superdosagem

A sobredosagem, pode determinar depressão ou estimulação do SNC e sintomas atropínicos que devem ser objecto de tratamento sintomático.

Composição

Um comprimido contém 6 mg de Di-hexazina.

Outros componentes: lactose, celulose microcristalina 101, carboximetilamido sódico Tipo A, povidona K 30, sílica coloidal anidra, talco, e estearato de magnésio.

Apresentação: embalagens com 20 ou 60 comprimidos.

Armazenamento

Conservar a temperatura inferior a 25°C.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Continue com a posologia indicada pelo médico.

Abilify Maintena

Indicação

Abilify é indicado para o tratamento de esquizofrenia em doentes adultos que estejam suficientemente estabilizados durante o tratamento com aripiprazol oral.

Uso adulto – Uso injetável

Posologia

O seu médico decidirá a quantidade de Abilify Maintena de que necessita.

Este medicamento é administrado em doses de 400 mg sob a forma de uma injeção única no músculo glúteo (nádega) uma vez por mês, salvo indicação diferente pelo seu médico.

O intervalo entre as duas injeções (doses) não deverá ser inferior a 26 dias.

O tratamento com aripiprazol por via é continuado durante 14 dias após a primeira injeção.

Depois disso, o aripiprazol é administrado com injeções de Abilify Maintena​, salvo indicação do seu médico em contrário.

Este medicamento é fornecido sob a forma de um pó, que o seu médico ou enfermeiro colocará em suspensão, que será depois injetada no músculo da sua nádega.

Poderá sentir um pouco de dor durante a injeção.

Não interrompa o seu tratamento apenas porque já se sente melhor.

É importante que continue o tratamento com Abilify Maintena​ durante o tempo que o seu médico prescrever.

Se ocorrerem reações adversas com a dose de 400 mg, deverá considerar-se uma redução da dose para 300 mg uma vez por mês.

Efeitos Colaterais

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Informe imediatamente o seu médico se sentir algum dos seguintes efeitos secundários graves:

  • qualquer combinação deste sintomas: sonolência excessiva, tonturas, confusão, desorientação, dificuldade na fala, dificuldade no andar, rigidez muscular ou tremores, febre, fraqueza, irritabilidade, agressão, ansiedade, aumento da pressão sanguínea ou convulsões que possam levar à inconsciência;
  • movimentos pouco usuais, principalmente da face ou da língua, uma vez que o seu médico poderá querer diminuir a sua dose;
  • se tiver sintomas tais como inchaço, dor e vermelhidão na perna, pois isto poderá significar que possui um coágulo sanguíneo, que poderá deslocar-se através dos vasos sanguíneos até aos pulmões, causando dor no peito e dificuldades respiratórias. Se tiver qualquer destes sintomas, procure imediatamente aconselhamento médico;
  • uma combinação de febre, respiração mais rápida, transpiração, rigidez muscular e sonolência ou apatia, uma vez que estes sintomas poderão ser um sinal de uma condição chamada síndrome maligna dos neurolépticos (SMN);
  • mais sede do que é normal, necessidade de urinar com maior frequência do que é normal, sensação de fome, fraqueza ou cansaço, mal-estar do estômago, sensação de confusão ou odor frutado no hálito respiratório, uma vez que podem constituir um sinal de diabetes.

Os efeitos secundários apresentados a seguir podem ocorrer também após a administração de Abilify Maintena.

Efeitos secundários frequentes (podem afetar até 1 em cada 10 pessoas):

  • ganho de peso, perda de peso;
  • sensação de ansiedade, dificuldade para dormir (insónia);
  • inquietação e incapacidade para permanecer quieto(a), dificuldade em manter-se quieto(a) sentado(a), espasmos, contrações musculares incontroláveis, movimentos súbitos ou estremecimento, perturbação dos movimentos, síndrome da perna inquieta alterações no seu nível de alerta, sonolência;
  • movimentos musculares que não consegue controlar, tais como caretas ou esgares, estalar dos lábios e movimentos da língua. Normalmente, afetam primeiro a face e a boca, podendo afetar outras partes do corpo. Poderão constituir sinais de uma condição chamada discinesia tardia;
  • parkinsonismo; trata-se de um termo médico que inclui vários sintomas, tais como rigidez muscular, tremores ao dobrar os membros, movimentos corporais lentos ou alterados, ausência de expressão na face, rigidez muscular, arrastamento dos pés, passos rápidos e ausência de movimentos normais dos braços ao andar;
  • resistência regular ao movimento passivo, à medida que os músculos se contraem e se relaxam, aumento anormal do tónus muscular, rigidez muscular, movimento corporal lento;
  • tonturas, cefaleia;
  • dificuldade em dormir;
  • boca seca;
  • dor no local de injeção, endurecimento da pele no local de injeção;
  • fraqueza, perda de força ou cansaço extremo;
  • níveis sanguíneos elevados da enzima creatinafosfoquinase.

Contraindicações

Não utilize Abilify Maintena se tem alergia ao aripiprazol ou a qualquer outro componente deste medicamento.

Farmacocinética

Abilify Maintena​ contém a substância ativa aripiprazol e pertence a um grupo de medicamentos chamados antipsicóticos.

É utilizado no tratamento de esquizofrenia – uma doença com sintomas tais como ouvir, ver ou sentir coisas que não existem, sensação de suspeita, crenças erróneas, discurso e comportamento incoerentes e apatia emocional.

As pessoas que sofrem desta condição poderão também sentir-se deprimidas, culpadas, ansiosas ou tensas.

Advertências e Precauções

Fale com o seu médico ou enfermeiro antes de lhe ser administrado Abilify Maintena.

Foram notificados pensamentos e comportamentos suicidas durante o tratamento com aripiprazol.

Informe de imediato o seu médico se lhe ocorrer algum pensamento ou sensação no sentido de fazer mal a si próprio(a).

Antes do tratamento com Abilify Maintena​, informe o seu médico se sofrer de:

  • níveis de açúcar no sangue elevados (caracterizados por sintomas tais como sede excessiva, formação de quantidades elevadas de urina, aumento de apetite e sensação de fraqueza) ou histórico familiar de diabetes;
  • crises (convulsões) pois o seu médico poderá querer realizar uma monitorização mais cuidada;
  • movimentos musculares involuntários e irregulares, especialmente na face;
  • doenças cardiovasculares, história familiar de doenças cardiovascular, acidente vascular cerebral ou "mini" acidente vascular cerebral, pressão sanguínea anormal;
  • coágulos sanguíneos, ou historial familiar de coágulos sanguíneos, pois os antipsicóticos foram associados à formação de coágulos sanguíneos;
  • experiência passada com hábitos de jogo excessivo;
  • problemas graves no fígado.

Se notar que está a ganhar peso, a desenvolver movimentos pouco usuais, a sentir experiências de sonolência que interferem com as atividades diárias normais, qualquer dificuldade em engolir ou sintomas de alergia, fale com o seu médico imediatamente.

Crianças e adolescentes: não utilizar este medicamento em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos. Desconhece se é seguro e eficaz nestes doentes.

Abilify Maintenam na gravidez, amamentação e fertilidade: se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o seu médico antes de tomar este medicamento.

Não lhe deverá ser administrado Abilify Maintena​ se estiver grávida, salvo se tiver discutido com o seu médico esta situação. Assegure-se de que informa imediatamente o seu médico se estiver grávida, se pensar que pode estar grávida ou se planear engravidar.

Os sintomas seguintes poderão ocorrer em recém-nascidos de mães que tomaram Abilify Maintena no último trimestre (últimos três meses da sua gravidez): tremores, rigidez muscular e/ou fraqueza, sonolência, agitação, problemas respiratórios e dificuldade na alimentação. Se o seu bebé desenvolver qualquer destes sintomas, deverá contactar o seu médico.

Se estiver a receber Abilify Maintena​, o seu médico discutirá consigo se deverá amamentar, considerando o benefício que a terapêutica terá para si e o benefício que a amamentação terá para o seu bebé. Não deverá fazer ambas. Fale com o seu médico sobre a melhor forma de alimentar o seu bebé se estiver a ser tratada com Abilify Maintena​.

Não conduzir ou utilizar quaisquer ferramentas ou máquinas, enquanto não souber como o Abilify Maintena​ afeta a sua capacidade, uma vez que foram notificados sintomas de tonturas, sedação e sonolência como potenciais efeitos secundários deste medicamento.

Interações Medicamentosas

Informe o seu médico se estiver a tomar, tiver tomado recentemente ou estiver a planear tomar outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Medicamentos que reduzem a pressão sanguínea: Abilify Maintena​ pode aumentar o efeito de medicamentos utilizados para diminuir a pressão sanguínea. Assegure-se de que informa o seu médico se estiver a tomar qualquer medicamento que se destine a controlar a sua pressão sanguínea.

O tratamento com Abilify Maintena​ e alguns medicamentos pode significar que o médico necessitará de alterar a sua dose de Abilify Maintena​ ou dos outros medicamentos. É especialmente importante mencionar os seguintes ao seu médico:

  • medicamentos para correção do ritmo cardíaco (tais como a quinidina, amiodarona, flecainida);
  • antidepressivos ou remédio de ervanária utilizados para tratar depressão e ansiedade (tais como fluoxetina, paroxetina, venlafaxina, Hipericão);
  • medicamentos antifúngicos (tais como cetoconazol, itraconazol);
  • certos medicamentos para o tratamento de infeção por VIH (tais como inibidores da protease, por exemplo, indinavir, ritonavir);
  • anticonvulsivos utilizados para tratar a epilepsia (tais como carbamazepina, fenitoína, fenobarbital).

Estes medicamentos podem aumentar o risco de efeitos secundários ou reduzir o efeito do Abilify Maintena​; se sentir algum sintoma que não seja usual ao tomar qualquer destes medicamentos em conjunto com Abilify Maintena, deverá consultar o seu médico.

Os medicamentos que aumentam o nível de serotonina são tipicamente utilizados em condições que incluem depressão, perturbação de ansiedade generalizada, perturbação obsessiva compulsiva (POC) e fobia social, assim como enxaqueca e dor:

  • triptanos, tramadol e triptofano utilizados em condições que incluem depressão, ansiedade generalizada, perturbação obsessiva compulsiva (POC) e fobia social, assim como enxaqueca e dor;
  • ISRS (tais como paroxetina e fluoxetina) utilizados na depressão, POC, pânico e ansiedade;
  • outros antidepressivos (tais como venlafaxina e triptofano) utilizados na depressão profunda;
  • tricíclicos (tais como clomipramina e amitriptilina) utilizados na depressão;
  • hipericão (Hypericum perforatum) utilizado como remédio de ervanária para depressão ligeira;
  • analgésicos (tais como tramadol e petidina) utilizados no alívio da dor;
  • triptanos (tais como sumatriptano e zolmitripitano) utilizados no tratamento da enxaqueca.

Estres medicamentos podem aumentar o risco de efeitos secundários; se sentir algum sintoma que não seja usual ao tomar qualquer deste medicamentos em conjunto com Abilify Maintena​, deverá consultar o seu médico.

Deve evitar-se a ingestão de álcool.

Superdosagem

Este medicamento será administrado sob supervisão médica; é portanto improvável que lhe seja administrada uma dose excessiva.

Se consultar mais do que um médico, assegure-se de que os informa que se encontra a tomar Abilify Maintena.

Os doentes a quem tiver sido administrada uma dose excessiva de aripiprazol experimentaram os seguintes sintomas:

  • batimento rápido do coração, agitação/agressividade, problemas com o discurso;
  • movimentos pouco usuais (especialmente da face ou da língua) e redução do nível de consciência.

Outros sintomas poderão incluir:

  • confusão aguda, convulsões (epilepsia), coma, uma combinação de febre, respiração rápida, transpiração;
  • rigidez muscular e sonolência ou apatia, respiração mais lenta, sufocamento, pressão sanguínea alta ou baixa, ritmos cardíacos anormais.

Contacte imediatamente o seu médico ou o hospital se experimentar qualquer dos sintomas anteriores.

Composição

Abilify Maintena 300 mg

Cada frasco para injetáveis contém 300 mg aripiprazol.

Após a reconstituição, cada ml de suspensão contém 200 mg de aripiprazol.

Abilify Maintena​ 400 mg

Cada frasco para injetáveis contém 400 mg aripiprazol.

Após a reconstituição, cada ml de suspensão contém 200 mg de aripiprazol.

Pó: Carmelose sódica, manitol, monoidrato de di-hidrogenofosfato de sódio, hidróxido de sódio
Solvente: Água para preparações injetáveis

Apresentação: Multipack Pacote de 3 embalagens individuais – cada embalagem individual contendo um frasco para injetáveis de pó, um frasco para injetáveis de solvente, uma seringa esterilizada de 3 ml com uma agulha de 38 mm (1,5 polegadas) de calibre 21 com dispositivo de proteção da agulha para reconstituição, uma seringa esterilizada sem agulha, uma agulha de segurança esterilizada de 38 mm (1,5 polegadas) e uma de 50 mm (2 polegadas) de calibre 21 com dispositivo de proteção da agulha para injeção e um frasco adaptador.

Armazenamento

Não congelar.

A suspensão reconstituída dever ser utilizada imediatamente mas poderá ser conservada a uma temperatura inferior a 25 °C durante até 4 horas no frasco.

Não conservar a suspensão reconstituída na seringa.
Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização.

Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

Aspecto físico: Abilify Maintena é um pó branco a esbranquiçado apresentado num frasco para injetáveis transparente. O seu médico ou enfermeiro transformá-lo-ão numa suspensão que será administrada sob a forma de uma injeção utilizando o frasco para injetáveis de solvente para Abilify Maintena que é fornecido sob a forma de uma solução transparente num frasco para injetáveis transparente.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

É importante não perder a sua dose agendada.

Deverá receber uma injeção mensal mas não antes de decorridos 26 dias após a última injeção.

Se perder uma injeção, deverá contactar o seu médico para tomar as disposições para a injeção seguinte, logo que possível.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou enfermeiro.

Gaviscon comprimidos

Indicação

Gaviscon é indicado para o tratamento de indigestão, queimação e desconforto estomacal (associados à indigestão), azia, dispepsia, enjoo, náusea e vômito.

Uso adulto e pediátrico acima de 12 anos – Uso oral

Posologia

Adultos, idosos e crianças com 12 anos ou mais: tomar 2 comprimidos mastigáveis conforme a necessidade. Repetir se necessário.

Pode ser utilizado após as principais refeições e ao dormir.

Não exceder 16 comprimidos mastigáveis, em doses fracionadas, em um período de 24h.

Se os sintomas não melhorarem procure orientação médica.

Para idosos com necessidades especiais pode ser recomendável administrar Gaviscon na forma de suspensão também disponível no mercado.

Como usar: 2 comprimidos mastigáveis de Gaviscon equivalem à dose mínima recomendada para o tratamento.

A cada dose, deve-se mastigar 2 comprimidos.

Efeitos Colaterais

Reações muito raras (ocorrem em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): manifestações alérgicas, tais como urticária, rash cutâneo, dificuldade de respirar, tontura, inchaço da face, dos lábios, da língua ou da garganta.

Contraindicações

Você não deve tomar Gaviscon se tiver hipersensibilidade (alergia) ao alginato de sódio ou a qualquer componente da fórmula.

Este medicamento é contraindicado para menores de 12 anos.

O uso de Gaviscon em crianças menores de 12 anos só pode ser feito com orientação médica.

Farmacocinética

Gaviscon não é absorvido pela circulação sistêmica.

Seu mecanismo de ação é físico.

Após a ingestão do medicamento, os componentes ativos de sua formulação reagem rapidamente com o ácido gástrico para formar um aglomerado de gel de ácido algínico, com pH quase neutro, que flutua no conteúdo estomacal efetivamente por até 4 horas, formando uma barreira física que impede o contato do conteúdo estomacal com o esôfago, aliviando, desta forma, os sintomas de indigestão, queimação e desconforto estomacal (associados à indigestão), azia, dispepsia, enjoo, náusea e vômito.

O tempo médio estimado para o início da ação farmacológica do medicamento (formação do aglomerado de gel de ácido algínico) é de 15 segundos.

Advertências e Precauções

A eficácia do medicamento pode ser reduzida em pacientes com níveis de ácido gástrico muito baixos.

Devido ao aspartame presente na fórmula, Gaviscon comprimidos mastigáveis não deve ser administrado a pacientes com fenilcetonuria.

Atenção fenilcetonúricos: contém fenilalanina

Uma dose de 4 comprimidos mastigáveis de Gaviscon contém 246mg de sódio, cujo teor deve ser considerado quando se requer uma dieta com alta restrição de sal.

Cada dose de 4 comprimidos mastigáveis de Gaviscon contém 360mg de carbonato de cálcio, o que requer cautela em casos de nefrocalcinose e cálculos renais recorrentes contendo cálcio.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Gaviscon não exerce qualquer influência sobre a habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas.

Interações Medicamentosas

Após ingerir Gaviscon, aguardar 2 horas para o uso de outros medicamentos, especialmente anti-histamínico H², digoxina, fluoroquinolona, cetaconazol, neurolépticos, penicilina, tiroxina, glicocorticóide, cloroquina, disfosfonatos, tetraciclinas, atenolol (e outros beta bloqueadores), sulfato ferroso, quinolona, alendronato, fluoreto de sódio e zinco.

Tal precaução é importante, pois o carbonato de cálcio, um dos ingredientes de Gaviscon, atua como um antiácido e pode diminuir a absorção destes medicamentos.

Superdosagem

Caso ocorram reações indesejáveis decorrentes do uso excessivo e/ou prolongado, interrompa imediatamente o uso deste medicamento e procure um médico.

Em caso de superdosagem, deve-se prosseguir com tratamento sintomático.

Neste caso, o paciente pode apresentar distensão abdominal.

Composição

Cada comprimido contém:

alginato de sódio……………………..250mg
bicarbonato de sódio…………………133,5mg
carbonato de cálcio…………………..80mg

Excipientes: manitol, macrogol, estearato de magnésio, copovidona, acesulfame potassium, essência de menta e aspartamo.

Apresentação: Comprimidos mastigáveis – embalagens contendo 8 e 32 comprimidos mastigáveis.

Armazenamento

Você deve conservar Gaviscon em temperatura ambiente (15 a 30°C), protegido da luz e da umidade.

Aspecto físico: o comprimido mastigável de Gaviscon é circular, podendo apresentar um aspecto levemente manchado ou pintado, com a coloração branca a levemente amarelada e sabor de menta.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Se você esquecer de tomar uma dose, não é necessário dobrar a dose seguinte, continue tomando o medicamento normalmente, de acordo com a dose habitual.

Laboratório

Reckitt Benckiser Healthcare International Limited

Dizeres Legais

MS 1.7390.0002
Farm. Resp.: Fabiana Seung Ji de Queiroz – CRF/SP nº 38.720

Cataflam Sport Ice

Indicação

Cataflam Sport Ice é indicado para contusões, traumas, dores musculares, câimbras, torcicolos e processos dolorosos e inflamatórios em geral.

Cataflam Sport Ice não é um medicamento.

Uso adulto – Uso tópico

Posologia

Vaporizar o jato do aerossol a uma distância mínima de 20 cm, em uma toalha ou pedaço de tecido, por 2 a 3 segundos.

Colocar a toalha na área afetada, comprimindo levemente.

Caso necessário, repetir esta operação em curtos intervalos.

Farmacocinética

A ação gelada em spray provoca resfriamento do local, aliviando a dor e reduzindo o inchaço e a vermelhidão.

Advertências e Precauções

Evitar o contato com os olhos, pele ferida e mucosas.

Evitar a inalação deste produto.

Precaução ao utilizar diretamente na pele, vaporize o produto a uma distância mínima de 20 cm.

O produto pode causar queimadura quando mal aplicado.

Composição

Apresentação: Cataflam Sport Ice Aerossol está disponível em tubos de 60g (106ml) e 120g (212ml).

Outras formas de apresentação deste medicamento:

  • Cataflam Comprimido Dispersíveis
  • Cataflam Spray
  • Cataflam Gotas
  • Cataflam Gel (Emulgel)

Armazenamento

Conservar o produto em local fresco.

Laboratório

Novartis Biociências S.A.

SAC: 0800 775 8181

Dizeres Legais

Registro MS: 80153480066
Farm.Resp.: Bárbara Santos de Sousa – CRF-SP 24.844

Dalacin V

Indicação

Dalacin V, creme vaginal é indicado no tratamento da vaginose bacteriana (anteriormente conhecida como vaginite por Haemophylus, vaginite por Gardnerella, vaginite não-específica, vaginite por Corynebacterium, ou vaginose anaeróbia).

Contraindicações

Dalacin V (fosfato de clindamicina) creme vaginal é contraindicado a pacientes com hipersensibilidade à clindamicina, à lincomicina ou a qualquer componente da
fórmula.

É também contraindicado a pacientes com história de enterites regionais, colites ulcerativas ou em história de colite associada a antibióticos.

Posologia

A dose recomendada é de um aplicador cheio de Dalacin V (fosfato de clindamicina) creme vaginal (5 gramas, correspondendo a cerca de 100 mg de fosfato de clindamicina) por via intravaginal, por três a sete dias consecutivos, de preferência ao deitar.

Efeitos Colaterais

Dalacin V (fosfato de clindamicina) creme vaginal foi bem tolerado nos estudos clínicos realizados, tanto em mulheres não-grávidas quanto em mulheres no segundo trimestre de gravidez.

As seguintes reações adversas foram relatadas, por menos de 10% das pacientes:
Sistema urogenital Monilíase vaginal, doença vulvovaginal, vulvovaginite, vaginite por Trichomonas, infecção vaginal/vaginite, distúrbio menstrual, dor vaginal, metrorragia, disúria, corrimento vaginal, infecção do trato urinário, trabalho de parto anormal, endometriose, glicosúria e proteinúria.

  • Geral

Monilíase (corpo), infecção fúngica, dor abdominal generalizada, dor abdominal localizada, infecção bacteriana, cólica abdominal, cefaléia, dor pélvica, halitose, edema inflamatório, infecção do trato respiratório superior, dor generalizada, dor nas costas, distensão abdominal, teste microbiológico alterado e reações alérgicas.

  • Sistema gastrintestinal

Diarréia, náuseas, vômitos, constipação, dispepsia, flatulência e disfunção gastrintestinal.

  • Sistema dermatológico

Prurido (não localizado no local da aplicação), rash, rash maculopapular, eritema, prurido (não localizado no local da aplicação), monilíase (pele) e urticária.

  • Sistema nervoso central: vertigem e tontura.
  • Sistema endócrino: hipertireoidismo.
  • Sistema respiratório: epistaxe.
  • Órgãos dos sentidos especiais: alteração do paladar.

Advertências e Precauções

O uso de Dalacin V (fosfato de clindamicina) creme vaginal pode levar ao superdesenvolvimento de microrganismos não-susceptíveis na vagina, principalmente leveduras.

Da mesma forma que praticamente todos os outros antibióticos, a clindamicina administrada por via oral ou parenteral tem sido associada ao aparecimento de diarréia e, em alguns casos, de colite associada à antibioticoterapia.

Após o uso de Dalacin V creme vaginal, a absorção da clindamicina é mínima; apesar disso, se ocorrer diarréia significativa ou prolongada, a medicação deve ser descontinuada e deve-se proceder ao diagnóstico e tratamento adequados, se necessário.

Interações Medicamentosas

A paciente deve ser orientada a não utilizar outros produtos por via intravaginal (inclusive absorventes internos ou duchas vaginais) e a não manter relações sexuais vaginais durante o período de tratamento com este produto.

A clindamicina, quando administrada concomitantemente com agentes bloqueadores neuromusculares, pode potencializar a ação desses agentes.

Apresentação

Dalacin V creme vaginal em embalagem contendo uma bisnaga com 20 g + 3 aplicadores.

Laboratório

Pfizer Ltda.

SAC: 0800-16-7575

Dizeres Legais

MS- 1.0216.0173
Farmacêutico Responsável: José Francisco Bomfim – CRF-SP nº 7009

Claxam

Indicação

O Claxam é indicado para tratamento de: infecções das vias respiratórias superiores, inclusive de ouvido, nariz e garganta; infecções das vias respiratórias inferiores, como bronquite crônica e broncopneumonia; infecções urinárias, principalmente cistite; infecções de pele e tecidos moles, sobretudo por celulite, mordidas de animais e abscesso dentário grave com celulite disseminada.

Uso adulto e pediátrico (a partir de 2 meses de idade) – Uso oral

Posologia

Agite a suspensão antes de usá-la.

Para reduzir desconfortos no estômago ou no intestino, tome este medicamento no início da refeição.

O tratamento não deve ser estendido por mais de 14 dias sem a revisão do médico.

O Claxam de potássio deve ser administrado somente sob prescrição médica.

A alimentação não interfere com a ação deste medicamento. Você pode tomá-lo o junto com alimentos, o que diminui a intolerância gastrintestinal e melhora a absorção.

A dose usual diária recomendada é:

25/3,6 mg/kg/dia para infecções leves a moderadas (infecções das vias respiratórias superiores, como amigdalite recorrente, infecções das vias respiratórias inferiores e infecções da pele e dos tecidos moles);

45/6,4 mg/kg/dia para tratamento de infecções mais sérias (infecções das vias respiratórias superiores, como otite média e sinusite, infecções das vias respiratórias inferiores, como broncopneumonia, e infecções urinárias).

As tabelas abaixo fornecem instruções de dosagem para crianças.

Crianças acima de 2 anos

25/3,6 mg/kg/dia 2-6 anos
(13-21 kg)
2,5 mL de Claxam suspensão 400 mg + 57 mg/5 mL 2x/dia
7-12 anos
(22-40 kg)
5 mL de Claxam suspensão 400 mg + 57 mg/5 mL 2x/dia
45/6,4 mg/kg/dia 2-6 anos
(13-21 kg)
5 mL de Claxam suspensão 400 mg + 57 mg/5 mL 2x/dia
7-12 anos
(22-40 kg)
10 mL de Claxam suspensão 400 mg + 57 mg/5 mL 2x/dia

Crianças de 2 meses a 2 anos

Crianças abaixo de 2 anos devem receber doses de acordo com o peso corporal.

Claxam suspensão 400 mg + 57 mg/5 mL
Peso (kg)

25/3,6 mg/kg/dia (mL/2x/dia)

45/6,4 mg/kg/dia (mL/2x/dia)
2 0,3 mL 0,6 mL
3 0,5 mL 0,8 mL
4 0,6 mL 1,1 mL
5 0,8 mL 1,4 mL
6 0,9 mL 1,7 mL
7 1,1 mL 2,0 mL
8 1,3 mL 2,3 mL
9 1,4 mL 2,5 mL
10 1,6 mL 2,8 mL
11 1,7 mL 3,1 mL
12 1,9 mL 3,4 mL
13 2,0 mL 3,7 mL

A experiência com Claxam é insuficiente para dar base a recomendações de dosagem para crianças abaixo de 2 meses de idade.

Não se recomenda o uso de Claxam em bebês com função dos rins ainda não plenamente desenvolvida.

Para pacientes com insuficiência renal leve a moderada (taxa de filtração glomerular (TFG) >30 mL/min), nenhum ajuste de dosagem é necessário. Para pacientes com insuficiência renal grave (TFG)

Efeitos Colaterais

Os efeitos colaterais estão listados abaixo de acordo com a frequência.

Efeito colateral muito comum: diarreia.

Efeitos colaterais comuns: candidíase mucocutânea (infecção causada por fungo), caracterizada pela presença de lesões esbranquiçadas em boca e mucosas e enjoo e vômito (essas reações podem ser reduzidas com o uso de Claxam no início de uma refeição).

Efeitos colaterais incomuns

  • tontura.
  • dor de cabeça.
  • desconforto abdominal.
  • aumento moderado de enzimas do fígado (como AST ou ALT) erupções na pele, coceira e vermelhidão.

Efeitos colaterais raros

  • diminuição reversível de glóbulos brancos (células de defesa) e de plaquetas (células responsáveis pela coagulação) do sangue.
  • lesões das mucosas e da pele.

Efeitos colaterais muito raros

  • falta de glóbulos brancos, que pode resultar em infecções frequentes, como febre, calafrios, inflamação da garganta ou úlceras na boca.
  • baixa contagem de plaquetas, que pode resultar em sangramento ou hematomas (manchas roxas que surgem com mais facilidade que o normal).
  • destruição de glóbulos vermelhos e consequentemente anemia, que pode resultar em cansaço, dores de cabeça e falta de ar causada pela prática de exercícios físicos, vertigem, palidez e amarelamento da pele e/ou dos olhos.
  • sinais repentinos de alergia, tais como erupções da pele, prurido (coceira) ou urticária, inchaço da face, dos lábios, da língua ou de outras partes do corpo, falta de ar, respiração ofegante ou problemas para respirar; se esses sintomas ocorrerem, pare de usar o medicamento e procure socorro médico o mais rápido possível.
  • convulsões podem ocorrer em pacientes com função renal prejudicada ou que estejam recebendo doses altas do medicamento.
  • presença de movimentos exacerbados e incontroláveis, tontura.
  • efeitos relacionados ao sistema digestivo, como diarreia grave, que também pode conter sangue e ser acompanhada de cólicas abdominais.
  • sua língua pode mudar de cor, ficando amarela, marrom ou preta, e dar a impressão de ter pelos.
  • efeitos relacionados ao fígado; esses sintomas podem manifestar-se como enjoo, vômito, perda de apetite, sensação geral de mal-estar, febre, coceira, amarelamento da pele e dos olhos e escurecimento da urina. As reações relacionadas ao fígado podem ocorrer até dois meses após o início do tratamento.

Outros efeitos colaterais

  • trombocitopenia púrpura.
  • ansiedade, insônia e confusão mental (relatos raros).
  • inflamação e inchaço da língua.

Contraindicações

O Claxam não é indicado para pacientes com alergia a betalactâmicos, como penicilinas e cefalosporinas.

O Claxam não é indicado para pacientes que já tiveram acúmulo de bilirrubina que causa coloração amarelada da pele ou problemas de funcionamento do fígado associados ao uso de Claxam ou de penicilina.

Farmacocinética

Claxam é um medicamento capaz de destruir e eliminar ampla variedade de microrganismos.

Advertências e Precauções

Antes de iniciar o tratamento com Claxam, seu médico deve fazer uma pesquisa cuidadosa de suas possíveis reações alérgicas a penicilinas, cefalosporinas ou outras substâncias que provocam alergia (alérgenos).

Houve relatos de reações alérgicas graves e potencialmente fatais em pacientes que receberam tratamento com penicilina.

O uso prolongado de Claxam pode, ocasionalmente, resultar em crescimento exagerado de microrganismos não sensíveis a este medicamento.

Foi relatada colite pseudomembranosa (inflamação no cólon) com o uso de antibióticos, que pode ter gravidade variada entre leve e risco à vida. Se você apresentar diarreia prolongada ou significativa, ou sentir cólicas abdominais, o tratamento deve ser interrompido imediatamente e seu médico irá avaliar sua condição física.

Seu médico deve fazer o monitoramento apropriado de possíveis reações se você precisar usar anticoagulantes orais ao mesmo tempo que Claxam. Pode ser necessário realizar alguns ajustes de dose do anticoagulante oral. Converse com seu médico caso você use esses medicamentos.

O Claxam deve ser usado com cautela em pacientes que apresentam problemas de fígado.

Em pacientes com problemas nos rins a dosagem de Claxam deve ser ajustada de acordo com o grau de disfunção. Se for seu caso, consulte o médico para que ele defina o ajuste correto a fazer.

Durante a administração de altas doses de Claxam, é recomendável manter ingestão adequada de líquidos para evitar formação de cristais na urina, associada ao uso da amoxicilina.

Seu médico deve considerar a possibilidade de superinfecções por fungos ou bactérias durante o tratamento.

Se ocorrer superinfecção, ele poderá recomendar a descontinuação do tratamento com Claxam e prescrever a terapia apropriada.

Não se observaram efeitos colaterais sobre a capacidade de dirigir veículos e de operar máquinas.

Claxam na gravidez e lactação: Caso você fique grávida durante ou logo após o tratamento com Claxam, suspenda a medicação e avise imediatamente seu médico. Como ocorre com todos os medicamentos, o uso de Claxam deve ser evitado na gravidez, especialmente durante o primeiro trimestre, a menos que o médico o considere essencial.

Você pode tomar Claxam durante o período de amamentação. Não há efeitos nocivos conhecidos para o bebê lactente.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Interações Medicamentosas

Converse com seu médico antes de iniciar o tratamento com Claxam caso você esteja usando algum dos medicamentos a seguir:

O uso simultâneo de Claxam com probenecida (utilizada em associação com outros medicamentos no tratamento de infecções) não é recomendável.

O uso de alopurinol (utilizado no tratamento da gota) durante o tratamento com amoxicilina, um dos componentes de Claxam, pode aumentar a probabilidade de reações alérgicas da pele.

Como ocorre com outros antibióticos, Claxam pode afetar a flora intestinal, causando menor reabsorção de estrógenos, e assim reduzir a eficácia dos contraceptivos (anticoncepcionais) orais combinados (medicamentos utilizados para evitar a gravidez).

O Claxam deve ser usado com cautela em pacientes sob tratamento com anticoagulantes orais, como acenocumarol e varfarina, devido ao maior risco de sangramento.

O Claxam deve ser usado com cautela em pacientes sob tratamento com dissulfiram, utilizado no tratamento do alcoolismo e micofenolato de mofetila, utilizado para prevenção da rejeição em transplantes.

A ingestão de álcool deve ser evitada durante e vários dias após o tratamento com Claxam.

Superdosagem

É pouco provável que ocorram problemas em caso de superdosagem de Claxam. Se houver efeitos gastrintestinais evidentes, como enjoo, vômito e diarreia, procure seu médico para que os sintomas sejam tratados.

O Claxam pode ser removido da circulação por hemodiálise.

Observou-se a formação de cristais na urina após o uso da amoxicilina.

Composição

Cada 5 mL de suspensão oral de 400 mg + 57 mg contém:

amoxicilina triidratada ……………………………………………………………………….. 400 mg

clavulanato de potássio ………………………………………………………………………… 57 mg

excipientes q.s.p. …………………………………………………………………………………. 5 mL
(ácido cítrico, citrato de sódio, celulose microcristalina, carboximetilcelulose, goma xantana, dióxido de silício, manitol, sacarina sódica, flavorizante cereja e limão)

Apresentação: Claxam pó para suspensão oral 400 mg + 57 mg/5 mL. Embalagem contendo 1 frasco de 70 mL + dosador.

Armazenamento

Claxam deve ser mantido na embalagem original e conservado ao abrigo da luz e umidade, em temperatura ambiente, entre 15ºC e 30ºC.

Guarde-o em sua embalagem original.

A suspensão oral, após o preparo, ficará estável por sete dias. Para isso, você deve conservá-la no refrigerador (em temperatura de 2°C a 8°C). Após sete dias, a suspensão reconstituída deverá ser descartada.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Aspecto físico: Pó para suspensão oral – pó branco a amarelado com odor de frutas. Suspensão reconstituída – suspensão branca a amarelada, com odor de frutas.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Se você esquecer uma dose, tome-a assim que se lembrar, mas continue com o horário normal das demais. Só não tome duas doses com intervalo menor que 4 horas.

Laboratório

Sandoz do Brasil Indústrias Farmacêutica Ltda.

SAC: 0800 4009192

Dizeres Legais

MS – 1.0047.0452
Farm. Resp.: Luciana A. Perez Bonilha CRF – PR nº. 16.006

Claxam 875 mg

Indicação

O Claxam 875 mg é indicado para tratamento de: infecções das vias respiratórias superiores, inclusive de ouvido, nariz e garganta; infecções das vias respiratórias inferiores, como bronquite crônica e broncopneumonia; infecções urinárias, principalmente cistite; infecções de pele e tecidos moles, sobretudo por celulite, mordidas de animais e abscesso dentário grave com celulite disseminada.

Uso adulto – Uso oral

Posologia

Os comprimidos devem ser engolidos inteiros, sem mastigar. Se necessário, podem ser partidos pela metade e engolidos, mas não mastigados.

Para reduzir o desconforto no estômago ou intestino tome os comprimidos no início da refeição.

Um comprimido de Claxam 875 mg duas vezes ao dia.

Pacientes com insuficiência dos rins

Para pacientes com comprometimento moderado do funcionamento do rim TFG ≥30 mL/min, nenhum ajuste de dosagem é necessário. Para pacientes com comprometimento grave do funcionamento do rim TFG.

Efeitos Colaterais

Os efeitos colaterais estão listados abaixo de acordo com a frequência.

Efeito colateral muito comum: diarreia.

Efeitos colaterais comuns: candidíase mucocutânea (infecção causada por fungo), caracterizada pela presença de lesões esbranquiçadas em boca e mucosas e enjoo e vômito (essas reações podem ser reduzidas com o uso de Claxam no início de uma refeição).

Efeitos colaterais incomuns

  • tontura.
  • dor de cabeça.
  • desconforto abdominal.
  • aumento moderado de enzimas do fígado (como AST ou ALT) erupções na pele, coceira e vermelhidão.

Efeitos colaterais raros

  • diminuição reversível de glóbulos brancos (células de defesa) e de plaquetas (células responsáveis pela coagulação) do sangue.
  • lesões das mucosas e da pele.

Efeitos colaterais muito raros

  • falta de glóbulos brancos, que pode resultar em infecções frequentes, como febre, calafrios, inflamação da garganta ou úlceras na boca.
  • baixa contagem de plaquetas, que pode resultar em sangramento ou hematomas (manchas roxas que surgem com mais facilidade que o normal).
  • destruição de glóbulos vermelhos e consequentemente anemia, que pode resultar em cansaço, dores de cabeça e falta de ar causada pela prática de exercícios físicos, vertigem, palidez e amarelamento da pele e/ou dos olhos.
  • sinais repentinos de alergia, tais como erupções da pele, prurido (coceira) ou urticária, inchaço da face, dos lábios, da língua ou de outras partes do corpo, falta de ar, respiração ofegante ou problemas para respirar; se esses sintomas ocorrerem, pare de usar o medicamento e procure socorro médico o mais rápido possível.
  • convulsões podem ocorrer em pacientes com função renal prejudicada ou que estejam recebendo doses altas do medicamento.
  • presença de movimentos exacerbados e incontroláveis, tontura.
  • efeitos relacionados ao sistema digestivo, como diarreia grave, que também pode conter sangue e ser acompanhada de cólicas abdominais.
  • sua língua pode mudar de cor, ficando amarela, marrom ou preta, e dar a impressão de ter pelos.
  • efeitos relacionados ao fígado; esses sintomas podem manifestar-se como enjoo, vômito, perda de apetite, sensação geral de mal-estar, febre, coceira, amarelamento da pele e dos olhos e escurecimento da urina. As reações relacionadas ao fígado podem ocorrer até dois meses após o início do tratamento.

Outros efeitos colaterais

  • trombocitopenia púrpura.
  • ansiedade, insônia e confusão mental (relatos raros).
  • inflamação e inchaço da língua.

Contraindicações

O Claxam não é indicado para pacientes com alergia a betalactâmicos, como penicilinas e cefalosporinas.

O Claxam não é indicado para pacientes que já tiveram acúmulo de bilirrubina que causa coloração amarelada da pele ou problemas de funcionamento do fígado associados ao uso de Claxam ou de penicilina.

Farmacocinética

Claxam é um medicamento capaz de destruir e eliminar ampla variedade de microrganismos.

Advertências e Precauções

Antes de iniciar o tratamento com Claxam, seu médico deve fazer uma pesquisa cuidadosa de suas possíveis reações alérgicas a penicilinas, cefalosporinas ou outras substâncias que provocam alergia (alérgenos).

Houve relatos de reações alérgicas graves e potencialmente fatais em pacientes que receberam tratamento com penicilina.

O uso prolongado de Claxam pode, ocasionalmente, resultar em crescimento exagerado de microrganismos não sensíveis a este medicamento.

Foi relatada colite pseudomembranosa (inflamação no cólon) com o uso de antibióticos, que pode ter gravidade variada entre leve e risco à vida. Se você apresentar diarreia prolongada ou significativa, ou sentir cólicas abdominais, o tratamento deve ser interrompido imediatamente e seu médico irá avaliar sua condição física.

Seu médico deve fazer o monitoramento apropriado de possíveis reações se você precisar usar anticoagulantes orais ao mesmo tempo que Claxam. Pode ser necessário realizar alguns ajustes de dose do anticoagulante oral. Converse com seu médico caso você use esses medicamentos.

O Claxam deve ser usado com cautela em pacientes que apresentam problemas de fígado.

Em pacientes com problemas nos rins a dosagem de Claxam deve ser ajustada de acordo com o grau de disfunção. Se for seu caso, consulte o médico para que ele defina o ajuste correto a fazer.

Durante a administração de altas doses de Claxam, é recomendável manter ingestão adequada de líquidos para evitar formação de cristais na urina, associada ao uso da amoxicilina.

Seu médico deve considerar a possibilidade de superinfecções por fungos ou bactérias durante o tratamento.

Se ocorrer superinfecção, ele poderá recomendar a descontinuação do tratamento com Claxam e prescrever a terapia apropriada.

Não se observaram efeitos colaterais sobre a capacidade de dirigir veículos e de operar máquinas.

Claxam na gravidez e lactação: Caso você fique grávida durante ou logo após o tratamento com Claxam, suspenda a medicação e avise imediatamente seu médico. Como ocorre com todos os medicamentos, o uso de Claxam deve ser evitado na gravidez, especialmente durante o primeiro trimestre, a menos que o médico o considere essencial.

Você pode tomar Claxam durante o período de amamentação. Não há efeitos nocivos conhecidos para o bebê lactente.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Interações Medicamentosas

Converse com seu médico antes de iniciar o tratamento com Claxam caso você esteja usando algum dos medicamentos a seguir:

O uso simultâneo de Claxam com probenecida (utilizada em associação com outros medicamentos no tratamento de infecções) não é recomendável.

O uso de alopurinol (utilizado no tratamento da gota) durante o tratamento com amoxicilina, um dos componentes de Claxam, pode aumentar a probabilidade de reações alérgicas da pele.

Como ocorre com outros antibióticos, Claxam pode afetar a flora intestinal, causando menor reabsorção de estrógenos, e assim reduzir a eficácia dos contraceptivos (anticoncepcionais) orais combinados (medicamentos utilizados para evitar a gravidez).

O Claxam deve ser usado com cautela em pacientes sob tratamento com anticoagulantes orais, como acenocumarol e varfarina, devido ao maior risco de sangramento.

O Claxam deve ser usado com cautela em pacientes sob tratamento com dissulfiram, utilizado no tratamento do alcoolismo e micofenolato de mofetila, utilizado para prevenção da rejeição em transplantes.

A ingestão de álcool deve ser evitada durante e vários dias após o tratamento com Claxam.

Superdosagem

É pouco provável que ocorram problemas em caso de superdosagem de Claxam. Se houver efeitos gastrintestinais evidentes, como enjoo, vômito e diarreia, procure seu médico para que os sintomas sejam tratados.

O Claxam pode ser removido da circulação por hemodiálise.

Observou-se a formação de cristais na urina após o uso da amoxicilina.

Composição

Cada comprimido revestido de 875 mg + 125 mg contém:

amoxicilina triidratada ………………………………..…………………………..…………………1005 mg
(equivalente a 875 mg de amoxicilina)

clavulanato de potássio……..……………..……………..…………………………………………..149 mg
(equivalente a 125 mg de ácido clavulânico)

excipientes q.s.p. ………..………………………………………………….1 comprimido revestido
(dióxido de silício, estearato de magnésio, amidoglicolato de sódio, celulose microcristalina, crospovidona, trietil citrato, etilcelulose, hipromelose, talco, dióxido de titânio).

Apresentação: Claxam 875 mg + 125 mg. Embalagem contendo 14 ou 20 comprimidos revestidos.

Armazenamento

O medicamento deve ser mantido em sua embalagem original. Conservar em temperatura ambiente (15º – 30º C). Proteger da luz e umidade.

Guarde-o em sua embalagem original.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Aspecto físico: Comprimido de coloração branca ligeiramente amarelada, oblongo, convexo, com vinco em ambas as faces e com a gravação “GGN7” em uma das faces.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Se você esquecer uma dose, tome-a assim que se lembrar, mas continue com o horário normal das demais. Só não tome duas doses com intervalo menor que 4 horas.

Laboratório

Sandoz do Brasil Indústrias Farmacêutica Ltda.

SAC: 0800 4009192

Dizeres Legais

MS – 1.0047.0452
Farm. Resp.: Luciana A. Perez Bonilha CRF – PR nº. 16.006

Amoxil 500 mg

Indicação

Amoxil 500 mg é indicado no tratamento de uma gama de infecções causadas por bactérias. Podem ser infecções nos pulmões, nas amígdalas, nos seios da face, no trato urinário e genital, na pele e nas mucosas.

Uso adulto e pediátrico – Uso oral

Posologia

Siga as orientações de seu médico sobre a maneira e a hora correta de tomar o medicamento. Ele vai decidir a quantidade diária que você precisa e o tempo durante o qual você deve usar o medicamento.

Recomenda-se ingerir o medicamento nas refeições, embora ele continue eficaz mesmo que você o tome em outros horários. Continue tomando este medicamento até o fim do tratamento prescrito pelo médico. Não pare somente porque se sente melhor.

  • Dose para adultos (inclusive pacientes idosos)

Dose padrão para adultos: 250 mg (esta dose só pode ser obtida com a suspensão oral) três vezes ao dia (de 8 em 8 horas) com aumento para 500 mg (uma cápsula) três vezes ao dia (de 8 em 8 horas) nas infecções mais graves.

  • Tratamento com dosagem alta (máximo recomendável de 6 g ao dia em doses divididas)

Recomenda-se uma dose de 3 g (seis cápsulas) duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas) em casos que requerem tratamento de infecção respiratória purulenta (com a presença de pus) grave ou recorrente.

  • Tratamento de curta duração

Gonorreia: dose única de 3 g.

  • Erradicação de Helicobacter em úlcera péptica (no duodeno ou no estômago)

Para combater o Helicobacter (bactéria que ataca o estômago e o duodeno), recomenda-se o uso de Amoxil no esquema de duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas), em associação com um medicamento conhecido como inibidor da bomba de prótons (exemplo: omeprazol) e agentes antimicrobianos, conforme se detalha a seguir:

  1. omeprazol 40 mg diários, amoxicilina 1 g (duas cápsulas) duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas) e claritromicina 500 mg duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas) durante sete dias; ou
  2. omeprazol 40 mg diários, amoxicilina 750 mg a 1 g duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas) e metronidazol 400 mg três vezes ao dia (de 8 em 8 horas) durante sete dias.
  • Dose para crianças (até 10 anos de idade)

Dose padrão para crianças: 125 mg três vezes ao dia (de 8 em 8 horas) com aumento para 250 mg três vezes ao dia (de 8 em 8 horas) nas infecções mais graves. Estas doses só podem ser obtidas com a suspensão oral.

  • Pacientes com insuficiência renal (dos rins)

Na insuficiência renal, a eliminação do antibiótico é mais lenta. Conforme o grau dessa condição, seu médico pode indicar a redução da dose diária total de acordo com o esquema descrito a seguir.

  • Adultos e crianças acima de 40 kg
  1. insuficiência leve: nenhuma alteração de dose;
  2. insuficiência moderada: máximo de 500 mg (uma cápsula) duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas); (no máximo de 500 mg duas vezes ao dia);
  3. insuficiência grave: máximo de 500 mg (uma cápsula) ao dia; (no máximo de 500 mg).
  • Crianças abaixo de 40 kg
  1. insuficiência leve: nenhuma alteração de dose;
  2. insuficiência moderada: 15 mg/kg duas vezes ao dia (de 12/12 horas);
  3. insuficiência grave: 15 mg/kg uma vez ao dia.
  • Pacientes que recebem diálise peritoneal

Usa-se a mesma posologia indicada para pacientes com insuficiência renal grave.

  • Pacientes que recebem hemodiálise

Usa-se a mesma posologia indicada para pacientes com insuficiência renal grave.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Efeitos Colaterais

Avise seu médico o mais cedo possível se você não se sentir bem durante o tratamento com Amoxil. Assim como todo medicamento, Amoxil pode provocar efeitos colaterais, porém isso não ocorre com todas as pessoas.

Os efeitos colaterais deste medicamento geralmente são leves.

Efeitos colaterais comuns:

  • Diarreia e enjoo; quando isso acontece, os sintomas normalmente são leves e com frequência podem ser evitados tomando-se o medicamento no início das refeições. Se continuarem ou se tornarem graves, consulte o médico.
  • Erupções da pele.

Efeitos colaterais incomuns:

  • Vômito, urticária e coceira.

Efeitos colaterais muito raros:

  • Diminuição de glóbulos brancos (leucopenia reversível), que pode resultar em infecções frequentes, como febre, calafrios, inflamação da garganta ou úlceras na boca.
  • Baixa contagem de plaquetas (trombocitopenia reversível), que pode resultar em sangramento ou hematomas (manchas roxas) que surgem com mais facilidade que o normal.
  • Destruição de glóbulos vermelhos e consequentemente anemia (anemia hemolítica), que pode resultar em cansaço, dores de cabeça e falta de ar causada pela prática de exercícios físicos, vertigem, palidez e amarelamento da pele e/ou dos olhos.
  • Sinais repentinos de alergia, como erupções da pele, prurido (coceira) ou urticária, inchaço da face, dos lábios, da língua ou de outras partes do corpo, falta de ar, respiração ofegante ou problemas para respirar; se esses sintomas ocorrerem, pare de usar Amoxil e procure socorro médico o mais rápido possível.
  • Convulsões (ataques) podem ocorrer em pacientes com função renal prejudicada ou que estejam recebendo doses altas do medicamento.
  • Hipercinesia (presença de movimentos exacerbados e incontrolados), tontura.
  • Candidíase mucocutânea, infecção micótica (causada por fungos) que normalmente afeta as partes íntimas ou a boca; na área genital, pode provocar coceira e queimação (com a presença de uma fina camada de secreção branca), e na boca ou na língua podem surgir pintas brancas dolorosas.
  • Colite associada a antibióticos (inflamação no cólon (intestino grosso), causando, causando diarreia grave, que também pode conter sangue e ser acompanhada de cólicas abdominais.
  • Sua língua pode mudar de cor, ficando amarela, marrom ou preta, e dar a impressão de ter pelos (língua pilosa negra).
  • Efeitos relacionados ao fígado; esses sintomas podem manifestar-se como enjoo, vômito, perda de apetite, sensação geral de mal-estar, febre, coceira, amarelamento da pele e dos olhos e escurecimento da urina. e aumento de algumas substâncias (enzimas) produzidas pelo fígado. – Reações cutâneas graves: erupção cutânea (eritema multiforme), que pode formar bolhas (com pequenas manchas escuras centrais rodeadas por uma área pálida, com um anel escuro ao redor da borda); erupção cutânea generalizada com bolhas e descamação da pele na maior parte da superfície corporal (necrólise epidérmica tóxica); erupções na pele com bolhas e descamação, especialmente ao redor da boca, nariz, olhos e genitais (síndrome de Stevens-Johnson); erupções na pele com bolhas contendo pus (dermatite esfoliativa bolhosa); erupções escamosas na pele, com bolhas e inchaços sob a pele (exantema pustuloso).
  • Doença renal (problemas para urinar, possivelmente com dor e presença de sangue ou cristais na urina).

Se qualquer desconforto incomum se manifestar enquanto você estiver tomando o medicamento, informe seu médico o mais breve possível.

Contraindicações

Amoxil não pode ser administrado nem ingerido por pessoas alérgicas à amoxicilina, a outros antibióticos penicilínicos ou antibióticos similares, chamados cefalosporinas.

Se você teve uma reação alérgica (como uma erupção cutânea) ao tomar um antibiótico, você deve conversar com o médico antes de tomar Amoxil.

Farmacocinética

Amoxil atua destruindo as bactérias que causam estas infecções.

Advertências e Precauções

Antes de iniciar o tratamento com Amoxil, informe seu médico:

  • se você já apresentou reação alérgica a algum antibiótico. Isso pode incluir reações na pele ou inchaço na face ou pescoço;
  • se você apresenta febre glandular;
  • se você toma medicamentos usados para prevenir coágulos sanguíneos (anticoagulantes), tais como varfarina,o seu médico fará um monitoramentoe, se necessário, poderá sugerir ajustes na dose dos anticoagulantes;
  • se você apresenta problema nos rins;
  • se você não estiver urinando regularmente;
  • se você já teve diarreia durante ou após o uso de antibióticos.

O uso prolongado também pode resultar, ocasionalmente, em super crescimento de microrganismos resistentes a Amoxil.

Não se observaram efeitos colaterais sobre a capacidade de dirigir veículos e de operar máquinas.

Amoxil na gravidez e amamentação: informe seu médico se você estiver grávida ou suspeitar que está grávida. Você não deve tomar este medicamento se estiver grávida, exceto se seu médico recomendar. Você pode amamentar seu bebê enquanto estiver tomando Amoxil, mas há excreção de quantidades mínimas de amoxicilina no leite materno. Se você estiver amamentando, informe ao seu médico antes de iniciar o tratamento com Amoxil.

Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Seu médico poderá indicar tratamento por via parenteral (feito com aplicação de injeções intravenosas, intramusculares ou subcutâneas) nos casos em que a via oral for considerada inadequada (particularmente nos tratamentos urgentes de infecções graves).

Conforme o grau de insuficiência renal, talvez seu médico ache necessário reduzir a dose diária total.

Interações Medicamentosas

A alimentação não interfere na ação de Amoxil, que pode ser ingerido nas refeições.

Alguns medicamentos podem causar efeitos indesejáveis se você os ingerir durante o tratamento com Amoxil. Não deixe de avisar seu médico caso você esteja tomando:

  • medicamentos usados no tratamento de gota (probenecida ou alopurinol);
  • outros antibióticos;
  • pílulas anticoncepcionais (como acontece com outros antibióticos, talvez sejam necessárias precauções adicionais para evitar a gravidez);
  • anticoagulantes.

Superdosagem

É pouco provável que ocorram problemas graves em caso de superdosagem de amoxicilina. As reações mais comuns são enjoo, vômito e diarreia.

Procure seu médico para que os sintomas sejam tratados.

Composição

Cada cápsula contém:

amoxicilina triidratada ………………………………………………………………… 574 mg
(equivalentes a 500 mg de amoxicilina)

excipiente* q.s.p. …………………………………………………………………….. 1 cápsula.
* Excipiente: estearato de magnésio.

Apresentação: Cápsulas de 500 mg em embalagem com 15, 21 ou 30 unidades.

Armazenamento

Conservar as cápsulas na embalagem original, protegido da umidade e em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30ºC).

Guarde-o em sua embalagem original.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Aspecto físico: Cápsulas de 500 mg de duas cores (corpo amarelo opaco e tampa vermelho opaco) impressa com GS JVL e contendo um pó branco a quase branco.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Se você esquecer uma dose, tome-a assim que se lembrar, mas continue com o horário normal das demais doses. Só não tome duas doses com intervalo igual ou menor que 1 hora entre uma e outra.

Laboratório

GlaxoSmithKline Brasil Ltda.

SAC: 0800 701 2233

Dizeres Legais

MS: 1.0107.0003
Farm. Resp.: Edinilson da Silva Oliveira CRF-RJ Nº: 18875

Simeticona 125 mg

Indicação

Simeticona cápsulas gelatinosas é indicada para pacientes com excesso de gases. Também pode ser usada como medicação auxiliar no preparo dos pacientes em exames médicos, tais como exame do interior do esôfago, estômago e intestino e exame do interior do intestino grosso.

Uso adulto e pediátrico – Uso oral

Posologia

Você pode usar simeticona cápsulas gelatinosas 4 vezes ao dia, após as refeições e ao se deitar, ou quando recomendado pelo seu médico.

Você não deve ingerir mais de 500 mg (4 cápsulas) de simeticona cápsulas gelatinosas por dia.

Ao utilizar simeticona cápsulas gelatinosas, você deve engolir a cápsula, e não mastigá-la. As cápsulas gelatinosas são moles e fáceis de engolir.

Efeitos Colaterais

Simeticona cápsulas gelatinosas não é absorvido pelo organismo. Ele atua somente dentro do aparelho digestivo, e é totalmente eliminado nas fezes, sem alterações. Portanto, efeitos colaterais são menos prováveis de ocorrer.

Inflamação na pele; Em casos raros: alergia da pele.

Contraindicações

Você não deve utilizar simeticona cápsulas gelatinosas se tiver alergia ou sensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula.

Não use simeticona cápsulas gelatinosas se você apresentar algum dos seguintes sintomas:

  • Grande aumento do volume abdominal;
  • Dor na barriga de forte intensidade;
  • Dor persistente (mais que 36 horas);
  • Massa palpável na região do abdômen.

Farmacocinética

Entre 10 e 30 minutos após a sua ingestão, simeticona cápsulas gelatinosas atua no estômago e no intestino, levando ao rompimento das bolhas.

As bolhas dos gases são as responsáveis pela dor abdominal e pelo acúmulo de gases, e a sua eliminação resulta no alívio dos sintomas associados com a retenção dos gases.

Advertências e Precauções

Não existem recomendações especiais para pacientes idosos.

Simeticona cápsulas gelatinosas não é indicada para crianças.

Não há contraindicação relativa a faixas etárias.

Não utilize dose maior que a recomendada.

Simeticona na gravidez e lactação: este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Se você estiver grávida ou amamentando, você deve informar seu médico antes de usar este medicamento.

Interações Medicamentosas

Não são conhecidas interações de simeticona cápsulas gelatinosas com outros medicamentos ou alimentos.

Superdosagem

Experiência de superdose após a comercialização é limitada, sendo registrada com ou sem sintomas.

Sintomas podem incluir diarreia e dor abdominal.

Composição

Cada cápsula gelatinosa contém:

simeticona…………………………………………………………………………………………………………………………. 125 mg

Excipientes: gelatina, glicerol, metilparabeno, propilparabeno, corante FDC azul nº 1, corante FDC verde nº 3 e água purificada.

Apresentação: Cápsula gelatinosa mole 125 mg. Embalagens com 10 cápsulas.

Armazenamento

Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C). Proteger da luz e umidade.

Atenção: não armazenar este produto em locais quentes e úmidos (ex: banheiro, cozinha, carros.).

Guarde-o em sua embalagem original.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Aspecto físico: Cápsulas moles de gelatina, de forma oval e cor verde.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Se você esqueceu de tomar simeticona cápsulas gelatinosas no horário pré-estabelecido, por favor procure seu médico ou farmacêutico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico.

Laboratório

Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.

SAC: 0800 701 6900

Dizeres Legais

MS – 1.0573.0251
Farmacêutica Responsável: Gabriela Mallmann – CRF-SP nº 30.138